Cadastre-se e receba ATUALIZAÇÕES EXCLUSIVAS sobre o que ESTÁ FUNCIONANDO na consultoria ambiental. 

Como o Greenpeace venceu o medo de dar certo

Em 05/03/2019 , Comments

Certa noite de madrugada eu estava assistindo no Netflix um documentário de como surgiu o Greenpeace. Eu estava buscando uma forma de entender como o processo do sucesso aconteceu com eles, já que meu propósito é muito parecido... e eis que no meio do filme, o próprio mentor do Greenpeace fala sobre o "medo de dar certo"...

A ideia inicial era aparecer fazendo barulho relacionado à causa ambiental. Eles resolveram perseguir a frota russa que caçava baleias no Pacífico, mas não imaginavam o que veriam. Eles tinham medo de serem feridos ou mortos pelos baleeiros enquanto estivessem tentando conseguir formas de aparecer na mídia. A estratégia era midiática e experimental. O mentor era um jornalista hippie... Mas quando eles chegam ao local e avistam a primeira baleia morta, amarrada à bóias e sangrando, eles percebem que a matança não era apenas uma questão cultural ou um negócio. Era uma atrocidade. A primeira baleia morta avistada era um bebê.

Quando eles rodearam o primeiro de 8 navios russos para ver do que se tratava a matança das baleias, eles não só foram ameaçados como viram o desespero das baleias fugindo dos navios sendo vencidas pelo cansaço ou pela honra (quando uma baleia era arpoada outras do grupo, furiosas, vinham tentar resgatar e eram arpoadas também).

Enfim, a tripulação do Greenpeace conseguiu as imagens mais marcantes da época e teria toda a mídia que precisavam para explodir. Mas ele explica que o medo de dar certo passou no momento em que eles se viram frente à uma realidade cruel inimaginável de humanos perante a natureza, e que ninguém estava lá para fazer algo senão eles para alertar o mundo... Foi uma viagem de profunda reflexão a respeito da essência humana. Um experimento que acertou a mais profunda camada da alma. Eles voltaram com sucesso de sua missão midiática, mas então com um propósito firme correndo nas veias.

Faz sentido, pessoal?

Abraços a todos!